30 de abr de 2009

Acesso a paraolímpicos é o destaque na manhã do segundo dia de apresentações

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, fizeram a primeira apresentação desta quinta-feira, segundo dia de sabatina com os integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI), no hotel Copacabana Palace. Eles falaram sobre o que está programado para os Jogos Paraolímpicos de 2016 no que diz respeito ao acesso dos atletas às instalações esportivas.

A visita de inspeção serve para o Comitê conferir, na prática, o que foi relatado no dossiê oficial da candidatura, entregue em fevereiro e dividido em 17 temas. A comitiva tem 13 integrantes, entre eles o ex-nadador russo Alexander Popov, dono de quatro ouros olímpicos e seis títulos mundiais. Dos 13 membros, apenas sete votam, mas todos vão trabalhar na elaboração do relatório que será usado como base para a escolha final. O Rio é a terceira cidade visitada pela comissão, que já passou por Chicago e Tóquio. Além das reuniões com autoridades brasileiras, a comitiva terá nesta sexta-feira, feriado de 1º de maio, o momento mais importante da visita. Neste dia serão feitas as inspeções nas instalações esportivas. Divididos em dois grupos, os integrantes do COI sairão do Copacabana Palace e passarão por sete pontos da cidade.


Igor Christ
Rio de Janeiro

27 de abr de 2009

Cartilhas de inclusão

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo participa de Congresso de Municípios e orienta prefeitos com ações que promovem a acessibilidade e a inclusão.

Durante o Congresso, a Secretaria apresentou o novo Programa de Orientação para a Implantação de Políticas Públicas Municipais Inclusivas. O programa, desenvolvido pela Pasta em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (CEPAM) pretende apoiar os prefeitos paulistas na estruturação de projetos e ações realmente atentos às necessidades das pessoas com deficiência. O projeto é importante para que "as prefeituras desenvolvam legislações que atendam as barreiras arquitetônicas e também as barreiras em empregabilidade e educação", ressalta o Secretário de Estado adjunto dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Luiz Baggio Neto. "É preciso haver uma regulamentação concreta e bem feita para que as pessoas com deficiência tenham acesso aos serviços municipais", conclui.

A Secretaria também trouxe para o Congresso a unidade móvel da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, que desde janeiro viaja pelo interior paulista para atendimento das demandas reprimidas por órteses, próteses e ajudas técnicas. A participação da Pasta no evento envolve ainda a demonstração dos parâmetros recém definidos das moradias com Desenho Universal, acessíveis para todos os públicos, a serem observadas nos projetos da CDHU - Companhia de Desenvolvimento e Habitação Urbana.

O Programa de Orientação, desenvolvido pela Secretaria, oferecerá aos prefeitos e suas equipes técnicas, em rodadas de encontros regionais, oficinas de capacitação temáticas, com abordagem de assuntos de interesse das pessoas com deficiência - e, portanto, merecedoras de foco especial de atenção durante a formulação das políticas públicas. A primeira ação do Programa de Orientação desenvolvido pela Secretaria e pelo CEPAM foi a distribuição de uma cartilha, já no 53º Congresso Paulista de Municípios, com dicas de ações que facilitem a acessibilidade e a inclusão, a serem observadas pelos prefeitos em suas cidades.

23 de abr de 2009

SP terá parque aquático público para pessoas em cadeiras de rodas

O primeiro parque aquático público destinado à prática esportiva de pessoas em cadeiras de rodas e homologado pela Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA), órgão ligado à Secretaria Municipal de Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida(SMPED), será inaugurado no próximo domingo, às 10h30, no Clube Escola Lapa, o Pelezão, na zona oeste de São Paulo.

Após dois meses de obras e R$ 130 mil investidos, o local recebeu vagas de estacionamento, vestiários, rampas de acesso e corrimãos. É o único clube público onde a pessoa em cadeira de rodas pode se locomover do carro até a piscina sem a ajuda de ninguém, afirma Celso Goldenberg, supervisor de Esportes da Subprefeitura da Lapa.

Apesar da reforma, Ana Lúcia Camargo Barros, diretora do Pelezão, diz que o clube ainda não oferecerá atividades aquáticas esportivas adequadas ao deficiente físico. Para isso, precisamos de um corpo técnico qualificado. E nós não temos. Eduardo Auge, secretário da CPA, garante que outras áreas públicas vem sendo estudadas para passar por adaptações de acessibilidade semelhantes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

22 de abr de 2009

Guia São Paulo Adaptada

Por causa de uma má-formação congênita na medula espinhal, desde 1998 a fonoaudióloga Andrea Schwarz se locomove numa cadeira de rodas. Impulsionada pelas próprias necessidades e pelas experiências indo de um lugar a outro, enfrentando dificuldades para entrar e sair de restaurantes, hotéis e atrações turísticas, ela lançou há 8 anos o Guia São Paulo Adaptada, com uma avaliação centrada em São Paulo sobre acessibilidade.

O projeto cresceu e Andrea e seu marido, Jaques Haber, lançaram o Guia Brasil para Todos. E agora não é só São Paulo. O guia, que é da Editora Áurea, traz informações turísticas sobre DEZ capitais brasileiras, sempre focando o quesito acessibilidade.

O livro reúne:
- 139 passeios acessíveis
- 106 restaurantes
- 92 hotéis adaptados
- e muitas dicas para viajantes.

As avaliações nessas capitais foram feitas por uma equipe de reportagem, sob a coordenação de Andréa e Jaques. E em cada cidade, foram selecionadas pessoas com algum tipo de deficiência para também participar dessa avaliação.
O Guia Brasil para Todos pode ser acessado no site www.brasilparatodos.com.br.
Quem preferir a versão impressa deve solicitá-la gratuitamente no próprio site, preenchendo um formulário (são cobrados apenas os gastos de postagem).

12 de abr de 2009

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo participa de Congresso de Municípios e orienta prefeitos com ações que prom

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo esteve presente, no dia 31 de março, na abertura do 53º Congresso Paulista de Municípios, organizado pela Associação Paulista de Municípios.

Durante o Congresso, foi apresentado o novo Programa de Orientação para a Implantação de Políticas Públicas Municipais Inclusivas. O programa, desenvolvido pela Pasta em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (CEPAM) pretende apoiar os prefeitos paulistas na estruturação de projetos e ações realmente atentos às necessidades das pessoas com deficiência. O projeto é importante para que "as prefeituras desenvolvam legislações que atendam as barreiras arquitetônicas e também as barreiras em empregabilidade e educação", ressalta o Secretário de Estado adjunto dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Luiz Baggio Neto. "É preciso haver uma regulamentação concreta e bem feita para que as pessoas com deficiência tenham acesso aos serviços municipais", conclui.

A Secretaria também trouxe para o Congresso a unidade móvel da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, que desde janeiro viaja pelo interior paulista para atendimento das demandas reprimidas por órteses, próteses e ajudas técnicas. A participação da Pasta no evento envolve ainda a demonstração dos parâmetros recém definidos das moradias com Desenho Universal, acessíveis para todos os públicos, a serem observadas nos projetos da CDHU - Companhia de Desenvolvimento e Habitação Urbana.

O Programa de Orientação, desenvolvido pela Secretaria, oferecerá aos prefeitos e suas equipes técnicas, em rodadas de encontros regionais, oficinas de capacitação temáticas, com abordagem de assuntos de interesse das pessoas com deficiência - e, portanto, merecedoras de foco especial de atenção durante a formulação das políticas públicas.

A primeira ação do Programa de Orientação desenvolvido pela Secretaria e pelo CEPAM foi a distribuição de uma cartilha, já no 53º Congresso Paulista de Municípios, com dicas de ações que facilitem a acessibilidade e a inclusão, a serem observadas pelos prefeitos em suas cidades.

8 de abr de 2009

Basquete em cadeira de rodas

Vídeo de Renata - Reatech 2009

O basquete em cadeira de rodas começou a ser praticado nos Estados Unidos, em 1945. Os jogadores eram ex-soldados do exército norte-americano feridos durante a 2ª Guerra Mundial.
A modalidade é uma das poucas que esteve presente em todas as edições dos Jogos Paraolímpicos. As mulheres disputaram a primeira Paraolimpíada em Tel Aviv, no ano de 1968.


O basquete em cadeira de rodas foi a primeira modalidade paraolímpica a ser praticada no Brasil, em 1958. Os principais responsáveis pelos primeiros passos foram Sérgio del Grande e Robson Sampaio. Nos II Jogos Parapanamericanos, em Mar Del Plata, em 2003, a seleção brasileira masculina conquistou uma vaga para Atenas 2004 retornando a uma edição de Jogos Paraolímpicos após 16 anos de ausência. Já a seleção feminina participou apenas dos Jogos de Atlanta 1996. No Parapan do Rio de Janeiro, em 2007, o Brasil conquistou o 4º lugar no feminino e o 3º no masculino.


A modalidade é praticada por atletas de ambos os sexos que tenham alguma deficiência físico-motora, sob as regras adaptadas da Federação Internacional de Basquete em Cadeira de Rodas (IWBF). As cadeiras são adaptadas e padronizadas, conforme previsto na regra. A cada dois toques na cadeira, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola. As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico.


No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas (CBBC).

7 de abr de 2009

IBBL lança bebedouro pioneiro na inclusão social

A IBBL (Indústria Brasileira de Bebedouros Ltda) participou, em parceria com a ADD (Associação Desportiva para Deficientes), da VIII ReaTech - Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, no Centro de Exposições Imigrantes. O estande da IBBL, montado ao lado da ADD e da quadra esportiva em que paratletas disputam partidas de basquete, permitiu que os visitantes da feira pudessem conhecer e utilizar o bebedouro de pressão BDF, produto pioneiro no mercado especializado, focado na inclusão social.

Segundo o fundador da ADD a acessibilidade e os avanços tecnológicos no Brasil são baixos e ainda faltam muitos investimentos para que a diferença aconteça. A acessibilidade ainda não está implantada na maioria dos locais, o que torna a locomoção difícil, mas Steven acredita que a situação esteja melhorando.

2 de abr de 2009

CDHU apresenta casa modelo de acessibilidade

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) apresenta hoje, 2, na VIII Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, modelo de casa construído de acordo com o conceito de Desenho Universal. A proposta para uso deste modelo na construção de habitações de interesse social resulta da parceria entre as Secretarias da Habitação e dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

O Desenho Universal propõe adaptações na planta do imóvel visando a acessibilidade para pessoas com alguma deficiência física e também àquelas com estatura diferenciada, obesidade ou com mobilidade reduzida, como idosos, gestantes e crianças. As medidas contemplam, além da adequação dos espaços internos, o alargamento das passagens permitindo o trânsito de cadeiras de rodas e o nivelamento da altura das janelas e botoeiras. Prevê também, nas obras de urbanismo, instalação de pontos de transporte público em distância que respeite as limitações de pessoas com locomoção.